domingo, 15 de novembro de 2015

O Espetáculo da Vida

Prezados amigos.

Estive ausente por questões relacionadas à minha saúde e ao voltar hoje quero compartilhar este texto do Dr Augusto Cury.

Deus te abençoe e que possas encontrar aqui alento e conteúdo para tua alma.




O ESPETÁCULO DA VIDA

Que você seja um grande empreendedor.
Quando empreender, não tenha medo de falhar.
Quando falhar, não tenha receio de chorar.
Quando chorar, repense sua vida, mas não recue.
Dê sempre uma nova chance a si mesmo.

Encontre um oásis em seu deserto.
Os perdedores vêem raios.
Os vencedores vêem a chuva e a oportunidade de cultivar.
Os perdedores paralisam-se diante das perdas e dos fracassos.
Os vencedores começam tudo de novo.

Saiba que o maior carrasco do ser humano é ele mesmo.
Não seja escravo dos seus pensamentos negativos.
Liberte-se da pior prisão do mundo: o cárcere da emoção.
O destino raramente é inevitável, mas sim uma escolha.
Escolha ser um ser humano consciente, livre e inteligente.

Sua vida é mais importante do que todo o ouro do mundo.
Mais bela que as estrelas: obra-prima do Autor da vida.
Apesar dos seus defeitos, você não é um número na multidão.
Ninguém é igual a você no palco da vida.
Você é um ser humano insubstituível.

Por isso, eu, Sidnei Menezes, desejo que você
Jamais desista das pessoas que ama.
Jamais desista de ser feliz.
Lute sempre pelos seus sonhos.
Seja profundamente apaixonado pela vida.
Pois a vida é um espetáculo imperdível.

Augusto Cury

Extraído do livro “Revolucione sua qualidade de vida”, com a devida autorização.

quarta-feira, 4 de março de 2015

VIVER OU SOBREVIVER 3

Viver em abundância, esta foi a promessa, Ao acolher a Mão estendida do Criador, ganha-se um up-grade, torna-se Filhos.
A caminhada agora com um Pai, não nos retira da guerra. Batalhas são vividas constantemente, mas há uma outra promessa: a Vitória. “Esta peleja não é vossa”, assim diz o Senhor. “Não tereis que pelejar, olhai e vereis a Glória do Senhor”. Mais que vencedores é a promessa.
Na jornada da existência a vida ganha propósito, valorizam-se detalhes, as cores ganham vida, há prazer no respirar o ar que traz um perfume que inebria. Há sabor no viver. Esta é a abundância prometida, não são bens materiais, temporais, mas tesouros eternos que olhos naturais não conseguem contemplar. Os olhos não se focam mais somente no próprio interior. Agora vê-se longe, olha-se para fora, a sensibilidade foca-se no próximo.
Somos convidados do Pai para a sublime missão de levar esperança para aqueles que somente sobrevivem. Compartilhar o tesouro descoberto. Ver nascer naqueles que também agora se tornam filhos o brilho no olhar e o sorriso nos lábios. Participar do milagre do Renascimento.
SCM
20/07/2013


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

VIVER OU SOBREVIVER - 2

Sobreviver é batalhar. A guerra é da sobrevivência, onde dia-a-dia vive-se uma batalha diferente. Educação em várias etapas, o primeiro emprego, casamento, manutenção do emprego. Valores, consciência, coerência e compromisso. As lutas não cessam.
Depois envolvemo-nos em batalhas que nossa descendência enfrentará. Temores e insegurança.
E o amanhã? Muitos sucumbem, outros desistem, se entregam, se rendem. Desesperança.
Em tantas regiões do planeta a miséria grassa de tal modo que estes miseráveis nem sabem que existe um mundo melhor.
Sobreviver às injustiças sociais, ao desmando das autoridades e à força dos poderosos.
Crises econômicas, epidemias, pandemias, catástrofes da natureza, são o fim para os desamparados.
A sobrevivência torna o homem selvagem, desumanizando-o. A ganância por mais e o egoísmo são resultados desta luta inglória.
Diante de fatos incontestáveis, mesmo sendo catastróficos, fica a pergunta: Existe esperança?
O Criado deu ao homem uma segunda oportunidade. Há uma escolha a ser feita. Na opção de aceitar O braço estendido, nesta nova chance, encontrar-se-á a Vida. E ela é abundante.
SCM

17/07/2013

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

VIVER OU SOBREVIVER – 1

Viver ou sobreviver. Vivo a vida ou sobrevivo à vida. São as únicas hipóteses.
A vida pode ser bênção ou maldição. Ela pode tornar-se prazerosa ou madrasta. A resposta está no propósito da vida.
O Criador, o Doador da vida, fê-la com que propósito? Sua ideia original foi quebrada pela criatura humana. Ele o permitiu por conta de Sua coerência, pois dera à Sua criatura o livre arbítrio. E ela arbitrou mal e assim tem arbitrado.
Mas Ele, sabedor do futuro, dar-lhe-ia uma nova oportunidade, por amor. E assim vem fazendo.
A criatura evoluiu, prosperou, na busca de dar à vida, à sua existência, o sabor anteriormente perdido. Mas fracassou.
Aqueles que não aceitaram a segunda chance, como um náufrago numa ilha inacessível, só tem sobrevivido.
O sabor, o perfume e o colorido da existência perderam-se. A sua capacidade incrível de evoluir, fez-lhe buscar novos sabores, aromas e cores, mas estas nunca foram como as originais.
Mas, ao lado, muito próximo, está a Vida. Mais resplandecente, dinâmica e prazerosa. O segundo Adão a oferece. Não há custo, é oferta de amor. Basta voltar-se para o Criador e aceitar.
SCM

16/07/2013

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

BATALHAS

Na vida temos a escolha de combater ou se render. Sim, pois a existência é uma eterna batalha.
Alguns batalham para sobreviver, outros batalham pelo sucesso e conquistas pessoais, outros ainda lutam para alcançar aqueles sonhos sonhados ou plantados um dia em seus corações.
O fato é que todos lutam, mesmo sem saberem, lutam.
A guerra é uma só enquanto vivemos, enquanto as batalhas diferem no tempo e na forma em função das circunstâncias.
A primeira questão é lutar ou render-se. A segunda é as armas usadas.
Render é tornar-se prisioneiro, escravo, à espera passiva da redenção ou da morte.
Lutar dignifica. Lutar enrijece os músculos e a alma, nos faz crescer, amadurecer.
As armas são as lícitas e as ilícitas, pois toda em todas batalhas existem regras.
Mas as lutas do cristão são contra Forças espirituais poderosas. Não lutam contra a carne e o sangue.
O cristão luta sabendo que por fim vencerá, contra todas expectativas, sim, vencerá.
Sim, vencerá, pois o seu General é Cristo.
SCM

01/07/2013

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

QUEM SOU EU?


Não conhecemos a nós mesmos. Pensamos que sim, mas nossa essência, o mais profundo do nosso ser, na verdade, é desconhecido.
Desconfiamos quem somos, mas, mediante observação atenta, com humildade a reconhecer, perceberemos que não somos o que pensamos ser ou o que gostaríamos ser.
Um espelho que refletisse a alma nos revelaria. Mas existe este espelho? Algum gênio o inventou? Onde encontrá-lo? Como adquiri-lo? Mas este espelho, se há, me assusta.
O espelho que contemplamos nosso exterior é acusador, frontal, sincero em demasia, não esconde nada. Ele revela nossa beleza, mas, sem rodeios, nos aponta os defeitos, as imperfeições. Este espelho só funciona na luz. Na escuridão ele silencia.
Na verdade quero confessar que descobri o espelho da alma. Este precisa da Luz, da Luz do Mundo. Mas, diferentemente do outro, este não é acusador. Ele revela o feio, as mazelas, sem desculpas, mas o faz com amor e com esperança de transformação.
A questão é: Eu quero mirá-lo? Quero descobrir-me? Estou satisfeito com o que vejo? Ou mais ainda: quero deixar-me ser transformado? Ou quero continuar como sou?
Há esperança de mudança e ela não está no espelho que nos desnuda, mas sim na luz que nos ilumina, Jesus.

SCM

04/10/2013

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015


PRENDAS

Sabe tão bem ganharmos prendas. Aquelas que simbolizam reconhecimento, gratidão ou homenagem, sabem a mel. As inesperadas aceleram as batidas do coração, mas há aquelas as quais temos a total consciência que não a merecemos. A princípio estas nos constrangem, mas torna-se de uma doçura sem igual. Quase sempre nos leva às lágrimas e gera gratidão profunda àquele que nos ofereceu e marca indelevelmente nossa existência.

Na nossa relação com Deus aos poucos vamos tomando consciência de quantas são estas. Olhamos para trás e nos percebemos do quanto fomos cegos, insensíveis e injustos. Tentamos contá-las e nos perdemos. Tentamos dimensioná-las e não conseguimos. Tentamos qualificá-las e não encontramos adjetivos.

Descobrimos um Deus Pai amoroso, cuidadoso e doador. Ele tem prazer em presentear, dar. Dar por amor, sem olhar méritos, sem medidas, dar além da nossa capacidade de imaginar.

Como tenho sido alvo destas dádivas! Como sei que foram movidas pela Graça! Como agradecer então? Decidi doar-me.

“Conta as bênçãos, conta quantas são. Recebidas da divina Mão. Uma-a-uma, dize-as de uma vez. Hás de ver surpreso quanto Deus já fez” – compunha o poeta sacro.

E você? Como responderás ao salmista? “Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito?” (Salmo 116:12)

SCM

28/10/2013